Quando os políticos do sexo masculino são acusados ​​de comportamento sexual inadequado ou sexismo, eles freqüentemente se defendem, afirmando que a acusação é simplesmente impossível – afinal, o raciocínio diz que eles têm filhas (ou irmãs). Esta defesa atinge o público como uma defesa fraca, mas que, no entanto, ressoa em algum nível.Psicologo em Nova Iguaçu, Psicologo em Duque de Caxias

Pode haver algum mérito nessa noção? Um estudo recente de grande escala e representativo nacional no Reino Unido sugere que a resposta pode ser “sim”. Em suma, os autores estavam interessados ​​na medida em que os entrevistados endossaram o seguinte item: “O trabalho de um marido é ganhar dinheiro; o trabalho de uma esposa é cuidar da casa e da família ”. Uma pontuação mais alta nesse item, portanto, indicaria o endosso de uma visão mais tradicional dos papéis de gênero, que mantém o poder e o status longe das mulheres e das mãos dos homens.

Os resultados indicam que homens com filhas têm visões menos tradicionais sobre os papéis de gênero. É importante notar que esses efeitos de nível médio tornam-se não significativos, uma vez que várias covariáveis ​​são adicionadas ao modelo estatístico. No entanto, ao examinar os efeitos em faixas etárias específicas, surge um padrão interessante e mais robusto: homens com filhas na faixa etária de 6 a 10 anos ou 11+ endossaram significativamente menos papéis tradicionais de gênero. Em contraste, homens com filhas com 5 anos ou menos não o fizeram. Isso é consistente com a noção de que quanto mais contato com suas próprias filhas, e quanto mais as filhas tiverem contato com o mundo exterior, mais os homens querem que as mulheres em geral possam ser independentes e auto-suficientes, caso escolham ser.Psicologo em Nova Iguaçu, Psicologo em Duque de Caxias

Curiosamente, ter filhas teve pouco (ou inconsistente) efeitos sobre as mulheres. Parece que o efeito “garota poderosa” molda a maneira como os homens (não as mulheres) pensam sobre os papéis de gênero para seus filhos.

Este estudo oferece uma visão interessante sobre como os homens pensam sobre o papel das mulheres na sociedade. Mas em muitos aspectos ainda existem muitas questões em aberto, e precisamos interpretar esses dados com alguma hesitação. Por exemplo, outra pesquisa sugere que ter filhas torna homens e mulheres mais republicanos (vs. democratas) nas preferências de voto, e que ter irmãs torna os homens mais conservadores (versus liberais) e provavelmente votar nos republicanos. No entanto, aqueles na direita política (vs. à esquerda) tendem, em média, a ter opiniões sobre as mulheres que são mais tradicionais e / ou sexistas (por exemplo, Rothwell et al., 2019). Como conciliar essas descobertas conflitantes? Vale a pena notar que o estudo sobre o efeito “garota poderosa” foi baseado em amostras do Reino Unido, ao passo que as mencionadas no presente parágrafo são baseadas em amostras americanas. Mas as diferenças provavelmente se devem a mais do que simples diferenças culturais desse tipo. Existe claramente a necessidade de dados adicionais sobre este tópico. Precisamos particularmente de estudos que acompanhem os mesmos homens ao longo do tempo (ou seja, estudos longitudinais).Psicologo em Nova Iguaçu, Psicologo em Duque de Caxias

Por enquanto, parece prematuro deixar os homens “fora” de suas atitudes e comportamentos sexistas simplesmente porque apontam para o fato de terem filhas. Além disso, os homens podem se comportar de maneira muito sexista em relação às filhas de outras pessoas, enquanto ainda racionalizam por que sua própria filha merece ser tratada com respeito. Devemos ser cautelosos quando ouvimos pessoas insistirem que não podem ser racistas porque têm um amigo negro ou não podem ser sexistas porque têm uma filha. Racismo e sexismo são sobre poder e controle em nível de grupo; ao longo da história, os homens e os brancos têm pouca dificuldade em negar todo o poder do grupo, ao mesmo tempo em que permitem exceções em relação a indivíduos específicos desse grupo.

 

Referencia